"Necessário é encontrar o infinitamente grande no infinitamente pequeno, para sentir a presença de Deus." Pitágoras

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Ajudando a filhota caçula

A escola da minha caçula está desenvolvendo vários projetos na área de reciclagem. Resultado, sobrou para a mãe artesã ajudar a filhota na confecção de algo...

... tchan, tchan, tchan, tchan!!! Surge a borboleta maluca. É claro que pedi socorro para alguma ideia, pois a filhota já tinha algo em mente, mas estava meio "desanimado". Então, incrementamos a dona borboleta maluca com feltro ao invés de simplesmente pintarmos a garrafa pet de refrigerante.
A lista de material para quem gostou e quiser produzir sua própria borboleta é a seguinte:

* Uma garrafa pet de 2 litros ou mais;
* Retalhos de feltro em cores diferentes;
* Papelão ou cartolina para as asas;
* Molas de caderno espiral;
* Cola quente;
* Agulha e linha de bordar

A borboleta maluca também pode ter outras finalidades que não apenas enfeitar o quarto das crianças. Encha a garrafa com pedriscos, areia ou água, e ela se tornará num divertido peso de porta.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Brotou mais uma...

Flor no jardim da vovó. Esta vai para uma amiga querida, de Santo André/SP, que me encomendou um jogo americano para sua nova casa.


Para arrematar e aproveitar a carona na "vontade" de costurar, fiz esse estojo baseado no projeto original de uma necessaire. Simples, rápido e gostoso de fazer. A mini kokeshi que coloquei para enfeitar estava meio que abandonada na minha cabeceira. Mas também poderia ter enfeitado com alguma flor de fuxico só pra dar um charme.

estojo escolar tam: 12 X 23,5cm

Nos últimos dias, o bichinho do desenho andou me rondando. Desde que abandonei o curso, em 2010, não fazia um rabisco sequer. Mas, ultimamente, o desejo de desenhar voltou e resolvi aproveitar a maré. Arrisquei essa suindara, uma de minhas paixões do reino animal da aves de rapina. Não ficou lá essas coisas, mas acho que já é um início.


terça-feira, 2 de agosto de 2011

Volta às aulas

E com elas, aquela velha calça jeans, já surrada pelo tempo, esquecida em um canto qualquer, transformada em uma capa para vestir a agenda de anotações


capa: técnica nine patch e quilting livre

interior

Ou ainda, aquele poá que você abandonou no cesto de costura, destinado a algum projeto qualquer e estava esperando sua criatividade aflorar





domingo, 31 de julho de 2011

Produção de fim de semana

As férias de julho inteirinhas sem pegar na máquina de costura, sem pregar um botão sequer... Mas o bichinho do patch me pegou justo no último fim de semana de férias. O remédio, então, foi produzir esta belezinha de cortina.

É bem verdade que a cortina em si já estava semi pronta. Apenas acrescentei as flores de fuxico. Só precisei fazer o bandô, com quadradinhos de retalhos de 10 X 10cm. O projeto original seria uma cortina inteira de retalhos, mas a ansiedade em ver o trabalho pronto falou mais alto. Daí o projeto ficou assim.

Aproveitando outros retalhos e a coceirinha do bichinho patchwork, peguei um molde de pássaros, através do Tessituras, e produzi alguns para fazer um mobile (um não, vários), e enfeitar a casa.



terça-feira, 26 de julho de 2011

Entrando no mundo das

DOLLS

Moxie - Sophia
Bonecas fazem parte da infância de qualquer menina. Mas, o tempo passa, nós crescemos, ganhamos outras responsabilidades que não brincar e apenas sermos nós mesmas, viajando pela imaginação, aguçando os sentidos, aproveitando momentos prazerosos entre uma brincadeira e outra.
Sim, nós crescemos, mas nossas melhores lembranças da infância continuam latentes em nós e aquela boneca que nos acompanhou por várias brincadeiras entre amigas, ainda permanece em nosso coração.
Sim, nós crescemos, viramos mães, donas de casa, profissionais bem sucedidas, esposas esmeradas...
Sim, é verdade, nós crescemos, mas aquela boneca preferida continua ali...
O mundo das dolls está ganhando cada vez mais adeptas (adultas, de seus 30, 40 ou mesmo 50 anos). Por que não pegar carona nessa onda?
Então, aqui está minha primeira boneca, depois de muuuuuuuitos anos. Esta é a Sophia, minha nova filha e, em breve, chegará mais uma companheira.  

domingo, 3 de julho de 2011

O amor está nas estrelas

Tanabata Matsuri 2011 - Festival das Estrelas

O Tanabata Matsuri surgiu no Japão há pelo menos 1.300 anos, baseado em uma lenda chinesa milenar, inspirada nas estrelas Vega e Altair.
Conta-se que a princesa Orihime, uma das sete filhas do Senhor Celestial e ótima tecelã, e o jovem pastor Kengyu apaixonaram-se perdidamente, esquecendo-se de suas obrigações cotidianas. Cada dia que passava, Orihime dedicava-se mais ao marido e menos à tecelagem. O mesmo ocorria com Kengyu, que deixava de pastorear.

O Senhor Celestial, furioso com ambos, transformou o casal em duas estrelas separadas pela Via Láctea, às quais só era permitido um único encontro por ano, apenas no sétimo dia do sétimo mês, onde o casal deveria atender aos pedidos escritos pelos humanos em papeletas chamadas tanzaku, e pendurados em galhos de bambu. Assim, surge o Tanabata Matsuri - Festival das Estrelas, uma das festas mais populares e comemoradas no Oriente.


Ikebana Sanguetsu em vaso tanabata com estrelas de cerâmica na borda.

Lenda ou não, o fato é que segundo a astronomia, realmente as estrelas Vega e Altair só se encontram uma vez por ano, pois permanecem todo o tempo em lados opostos da Via Láctea.



Os pedidos podem ser escritos em tanzakus nas seguintes cores: amarelo (dinheiro), azul (proteção celestial), branco (paz), rosa (amor), verde (esperança) e vermelho (paixão). Segundo a lenda, no momento mágico do encontro entre as estrelas, todos os pedidos são atendidos.

Pedidos colocados no bambu, no Centro Cultural do Solo Sagrado de Guarapiranga, em SP.

No Brasil, o festival se tornou conhecido graças aos imigrantes japoneses e seus descendentes, além das comunidades de origem nipônica, principalmente as religiosas, espalhadas por todo o país.



Se você estiver por São Paulo, nessas férias de julho, dê um pulinho na Praça da Liberdade e faça seu pedido a Orihime e Kengyu, pois o amor está nas estrelas.