"Necessário é encontrar o infinitamente grande no infinitamente pequeno, para sentir a presença de Deus." Pitágoras

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Família Suindara


Passei alguns bons anos de minha vida crente que o termo acuti, em Tupi, siginificava coruja. Ledo engano. Talvez o erro se tenha dado por conta do símbolo da pré-escola onde minhas filhas estudaram, composto por dois indiozinhos e uma coruja. Bem, desfeito o engano, devidamente consultado no Dicionário de Topônimos Brasileiros de Origem Tupi, de Luiz Caldas Tibiriçá,

foto: http://www.animais.culturamix.com/

acuti nada mais é do que cutia, uma espécie de roedor, uma gracinha - pelo menos penso eu, que vivia correndo atrás delas no Campo de Santana, no centro do Rio de Janeiro, quando criança.
Aff, põe tempo nisso!!!
E para consertar de vez esse erro, evoco, então, a suindara (coruja, em Tupi), "o que não come", segundo meus antepassados indígenas (minha mãe era índia Guajajara), pois como é um animal de hábitos noturnos, e os índios não a viam se alimentar, acreditavam que a coruja não comia. 
Desfeito o equívoco, batizo a minha família de corujinhas com o nome Suindara. E aqui se encontra a bebezinha da família. Pode acreditar, mais virão por aí, pois sou apaixonada por corujas e tenho uma coleção delas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário